Segunda, 27 de Setembro de 2021 12:57
99963-4122
Região GOLPES

Esquema de fraude de Bitcoins foi desmantelado pelo Ministério Público na região de Varginha

Segundo consta das apurações, o líder do grupo possui vasto conhecimento na realização de atividades financeiras no mercado de criptoativos, especialmente envolvendo Bitcoin

05/08/2021 06h46
142
Por: Redação
Esquema de fraude de Bitcoins foi desmantelado pelo Ministério Público na região de Varginha
O Ministério Público do Estado de Minas Gerais, por seu Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, núcleo Varginha, pela
Coordenadoria Regional das Promotorias de Defesa da Ordem Econômica e Tributária (CAOET Varginha) e pela Coordenadoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos (COECIBER), em ação conjunta com a Promotoria de Justiça da Comarca de Elói Mendes, com as Polícias Civil e Militar, Receita Federal do Brasil, e apoio da Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCRIPTO), deflagrou, na data de hoje (05/08/2021), a Operação Mercador de Ilusões, destinada a desmantelar organização criminosa com atuação na comarca de Elói Mendes e diversos municípios no Brasil, dedicada à prática de crimes de estelionato e lavagem de dinheiro.
 
Segundo consta das apurações, o líder do grupo possui vasto conhecimento na realização de atividades financeiras no mercado de criptoativos, especialmente envolvendo Bitcoin (BTC). Ministrando cursos, conseguiu atrair a atenção e interesse de diversas pessoas, de vários estados da federação, para com eles celebrar contratos de investimento.
 
Os contratos eram celebrados em nome do principal investigado ou de uma empresa constituída em nome de interposta pessoa (laranja). Na prática dos ilícitos,mais de trinta milhões de reais e 400 Bitcoins (BTC´s) foram movimentados.
 
O investigado chegou a repassar rentabilidades para algumas vítimas, mas com o desenvolvimento da estratégia criminosa, deixou de repassar valores às
vítimas e parou de responder aos contatos. Ao mesmo tempo, adquiriu imóveis e bens de alto luxo. Parte dos ativos foi colocada em nome de laranjas, configurando a prática de lavagem de dinheiro, com o objetivo de dificultar o rastreamento do benefício dos crimes.
Foram expedidos 5 mandados de busca e apreensão, que estão sendo cumpridos nas cidades de Elói Mendes, Varginha e São Paulo, bem como 1
mandado de prisão preventiva.
 
O Poder Judiciário determinou, ainda, a indisponibilidade de bens no importe de R$30.583.388,70, para futuro ressarcimentos das vítimas identificadas e
pagamento de multa criminal e dano moral coletivo em caso de condenação.
Participam das diligências 6 Promotores de Justiça, 1 analista do MP, 3 Delegados de Polícia, 12 Investigadores de Polícia, 9 Policiais Militares e 16
Auditores e Analistas da Receita Federal. 
Ele1 - Criar site de notícias