TERRAKASA IMOBILIÁRIA
amparense
Tapwear
Estelionato

Três pessoas são presas suspeitas de aplicar golpe de clonagem de cartões em Lavras

Segundo a polícia, o trio é do interior de São Paulo e estava na cidade para executar os crimes.

16/08/2019 14h17
Por: Matheus

Três pessoas foram presas em Lavras (MG) suspeitas de aplicar um golpe de clonagem de cartões. Segundo a polícia, o trio é do interior de São Paulo e estava na cidade para executar os crimes.

Nos quartos onde os três se hospedaram, a polícia encontrou cinco maquinas de cartão, notebooks, um HD com dados de diversas pessoas e ainda uma folha que ensinava o passo a passo do golpe.

Uma família foi vítima dos estelionatários na tarde desta quarta-feira (14). Tudo começou com uma ligação, conforme conta uma das mulheres, que não quis ser identificada.

"Eles ligam se passando pela bandeira do seu cartão, falando que estão tentando usar seu cartão, que teve compras aprovadas, que estão tentando fazer, fizeram tentativa de saque e pedem para você ligar no número que tem atrás do seu próprio cartão. No momento que você liga no número do seu próprio cartão, a ligação é redirecionada para eles, como se nosso telefone tivesse grampeado. E eles se passam como se eles fossem do banco. Fazem todo o processo muito bem feito."

A suspeita ainda se passou por uma policial e foi à casa da vítima buscar o cartão. Foi quando a família notou algo errado.

“Poucos minutos depois foi onde caiu a ficha que isso era um golpe. Na mesma hora, eu e minha mãe, a gente correu no banco. Bloqueamos o cartão, porém já havia sido efetuado o saque”, conta.

Os golpistas conseguiram transferir R$ 800 da conta bancária da vítima. O destino do dinheiro ainda não foi identificado.
Sistema refinado

O que chamou a atenção da polícia foi a precisão do sistema de telemarketing que foi instalado no computador. Os suspeitos tinham um programa que conseguia redirecionar a ligação do telefone da vítima para os telefones dos golpistas.

A quantidade de informação que eles tinham também impressionou. Segundo a investigação, a associação criminosa tinha uma planilha de dados com nomes, telefones e até salários de possíveis vítimas.

A polícia apura como os criminosos tiveram acesso a esses dados.

"Certamente eles tem outras pessoas que estão contribuindo com essas informações privilegiadas", afirma o delegado regional Josias Moreira Giffoni.

A Polícia Civil agora investiga se eles praticaram o golpe em outras cidades. Vítimas podem entrar em contato com os policiais pelo telefone 197.

Três pessoas foram presas em Lavras (MG) suspeitas de aplicar um golpe de clonagem de cartões. Segundo a polícia, o trio é do interior de São Paulo e estava na cidade para executar os crimes.

Nos quartos onde os três se hospedaram, a polícia encontrou cinco maquinas de cartão, notebooks, um HD com dados de diversas pessoas e ainda uma folha que ensinava o passo a passo do golpe.

Uma família foi vítima dos estelionatários na tarde desta quarta-feira (14). Tudo começou com uma ligação, conforme conta uma das mulheres, que não quis ser identificada.

"Eles ligam se passando pela bandeira do seu cartão, falando que estão tentando usar seu cartão, que teve compras aprovadas, que estão tentando fazer, fizeram tentativa de saque e pedem para você ligar no número que tem atrás do seu próprio cartão. No momento que você liga no número do seu próprio cartão, a ligação é redirecionada para eles, como se nosso telefone tivesse grampeado. E eles se passam como se eles fossem do banco. Fazem todo o processo muito bem feito."

A suspeita ainda se passou por uma policial e foi à casa da vítima buscar o cartão. Foi quando a família notou algo errado.

“Poucos minutos depois foi onde caiu a ficha que isso era um golpe. Na mesma hora, eu e minha mãe, a gente correu no banco. Bloqueamos o cartão, porém já havia sido efetuado o saque”, conta.

Os golpistas conseguiram transferir R$ 800 da conta bancária da vítima. O destino do dinheiro ainda não foi identificado.
Sistema refinado

O que chamou a atenção da polícia foi a precisão do sistema de telemarketing que foi instalado no computador. Os suspeitos tinham um programa que conseguia redirecionar a ligação do telefone da vítima para os telefones dos golpistas.

A quantidade de informação que eles tinham também impressionou. Segundo a investigação, a associação criminosa tinha uma planilha de dados com nomes, telefones e até salários de possíveis vítimas.

A polícia apura como os criminosos tiveram acesso a esses dados.

"Certamente eles tem outras pessoas que estão contribuindo com essas informações privilegiadas", afirma o delegado regional Josias Moreira Giffoni.

A Polícia Civil agora investiga se eles praticaram o golpe em outras cidades. Vítimas podem entrar em contato com os policiais pelo telefone 197.

Três pessoas foram presas em Lavras (MG) suspeitas de aplicar um golpe de clonagem de cartões. Segundo a polícia, o trio é do interior de São Paulo e estava na cidade para executar os crimes.

Nos quartos onde os três se hospedaram, a polícia encontrou cinco maquinas de cartão, notebooks, um HD com dados de diversas pessoas e ainda uma folha que ensinava o passo a passo do golpe.

Uma família foi vítima dos estelionatários na tarde desta quarta-feira (14). Tudo começou com uma ligação, conforme conta uma das mulheres, que não quis ser identificada.

"Eles ligam se passando pela bandeira do seu cartão, falando que estão tentando usar seu cartão, que teve compras aprovadas, que estão tentando fazer, fizeram tentativa de saque e pedem para você ligar no número que tem atrás do seu próprio cartão. No momento que você liga no número do seu próprio cartão, a ligação é redirecionada para eles, como se nosso telefone tivesse grampeado. E eles se passam como se eles fossem do banco. Fazem todo o processo muito bem feito."

A suspeita ainda se passou por uma policial e foi à casa da vítima buscar o cartão. Foi quando a família notou algo errado.

“Poucos minutos depois foi onde caiu a ficha que isso era um golpe. Na mesma hora, eu e minha mãe, a gente correu no banco. Bloqueamos o cartão, porém já havia sido efetuado o saque”, conta.

Os golpistas conseguiram transferir R$ 800 da conta bancária da vítima. O destino do dinheiro ainda não foi identificado.
Sistema refinado

O que chamou a atenção da polícia foi a precisão do sistema de telemarketing que foi instalado no computador. Os suspeitos tinham um programa que conseguia redirecionar a ligação do telefone da vítima para os telefones dos golpistas.

A quantidade de informação que eles tinham também impressionou. Segundo a investigação, a associação criminosa tinha uma planilha de dados com nomes, telefones e até salários de possíveis vítimas.

A polícia apura como os criminosos tiveram acesso a esses dados.

"Certamente eles tem outras pessoas que estão contribuindo com essas informações privilegiadas", afirma o delegado regional Josias Moreira Giffoni.

A Polícia Civil agora investiga se eles praticaram o golpe em outras cidades. Vítimas podem entrar em contato com os policiais pelo telefone 197.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários