Tapwear
Águas
TERRAKASA IMOBILIÁRIA
Refugiados

Refugiados venezuelanos começam a trabalhar em fazenda de café em Nepomuceno, MG

Seis refugiados começaram a trabalhar nesta semana.

16/08/2019 14h23
Por: Redação

Refugiados da Venezuela encontraram no café uma forma de recomeçar no Brasil. Nesta semana, seis delas começaram a trabalhar em uma fazenda de Nepomuceno (MG).

Roden e Hendrick atravessaram a fronteira entre Venezuela e Brasil há cinco meses e precisavam de emprego. Hendric não teve dúvidas. Aceitou deixar de lado a antiga profissão, professor de informática.

"É muito diferente a agricultura e a informática, mas são conhecimentos que são adquiridos, gosto muito de trabalhar com o café, primeiro porque é um produto que se vende muito e é muito bom", disse o lavrador Hendrick Bermudez.

Outros quatro venezuelanos também trabalham na reforma da casa da sede. Para eles, esse emprego é mais parecido com o que eles faziam na Venezuela.

A fazenda de 113 hectares começou a formar a lavoura há dois anos. E junto com a nova fase, os donos pensaram: por que não dar uma nova chance também para quem precisa recomeçar?

"O proprietário e a proprietária, eles têm essa filosofia, esse interesse do âmbito social, de incorporar os trabalhadores locais e também agora os venezuelanos, para dar essa oportunidade de trabalho a eles diante dessa situação que se encontra a Venezuela, é uma troca de experiências e inclusão dos trabalhadores aqui", disse o engenheiro agrônomo Maurício Quilisi Malvoni.

Os proprietários acreditam que esse é um exemplo que outros produtores podem seguir, até porque o processo de contratação é seguro. Os donos da fazenda entraram em contato com a Operação Acolhida, em Roraima. O estado é a porta de entrada dos venezuelanos no Brasil.

O Ministério da Casa Civil em parceria com outros órgãos do governo, da Organização das Nações Unidas, ONGS e Exército tentam encontrar emprego para eles em todo o Brasil. Quando dá certo, eles chegam já de olho no futuro.

Todos os venezuelanos estão com a carteira assinada. O salário tem destino certo: vai para as famílias que ficaram em Roraima e na Venezuela.

"Minha intenção de ajudar a minha família e crescer profissionalmente se possível e trazê-los para que vivam no Brasil", disse Hendrick.

A novidade não é só para os venezuelanos. Outros 19 funcionários brasileiros precisam buscar formas de se comunicar. E o portunhol entra em cena para todo mundo se entender.

"Vamos dar uma força para eles aí e cada vez mais a gente vai querer ver eles aprenderem", disse o lavrador Victor de Paula.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
cAFÉ
Slim Centro
Supermercado JA
Droga rede
Municípios
Agro Sucesso
Quentinhas Izabela
Últimas notícias
espaço vazio
espaço vazio
espaço vazio
Mais lidas
Anúncio
Anúncio