amparense
Tapwear
TERRAKASA IMOBILIÁRIA
Projeto Piloto

Atropelamentos de andarilhos caiu 19,5% na Fernão Dias

As abordagens são realizadas semanalmente em postos de serviço às margens da rodovia, onde a presença do andarilho é constante

26/08/2019 15h11
Por: Redação

A concessionária Arteris Autopista Fernão Dias desenvolveu ações que colaborem para a redução de acidentes e acidentes fatais na BR-381. O projeto piloto, de cunho social, iniciado em abril de 2018, em parceria com os alunos do curso de psicologia da Universidade do Vale do Sapucaí (Univás) e cinco municípios do Sul de Minas (Extrema, Camanducaia, Cambuí, Pouso Alegre e São Gonçalo do Sapucaí) mostrou que é possível atuar de forma conjunta, em grupos sociais e específicos, para alcançar um objetivo maior, evitar acidentes e mortes na rodovia. Durante 12 meses de atuação, entre junho de 2018 e maio deste ano, o número de atropelamentos envolvendo andarilhos ou trecheiros reduziu 19,5%, em comparação ao mesmo período entre 2017 e 2018. A redução de óbitos envolvendo esse grupo social foi ainda maior e chegou a 40%.

O projeto consiste em abordagens sociais realizadas pelos alunos de psicologia, assistente socais e setor de segurança da concessionária. Os alunos e assistentes sociais realizam entrevistas que ajudam a concessionária a compreender e traçar o perfil das pessoas que caminham constantemente pela BR-381. A partir destas informações é possível entender o comportamento dos andarilhos e orientá-los a caminharem de forma segura na rodovia, para que cheguem ao seu destino.

As abordagens são realizadas semanalmente em postos de serviço às margens da rodovia, onde a presença do andarilho é constante. Por se tratar de um projeto piloto, as entrevistas acontecem no Sul de Minas, no limite dos municípios parceiros. Por meio de um questionário e uma boa conversa, os alunos extraem informações ricas que dão subsídio para continuidade do trabalho. Com base nas entrevistas é possível perceber que 92,8% dos andarilhos da Fernão Dias são homens, com idade entre 40 e 70 anos. Cerca de 64,2% são analfabetos e apenas 28% são casados e possuem filhos. O que todos eles têm em comum é o consumo diário de bebida alcoólica e um fator desencadeante, geralmente uma decepção, que os levaram a adotarem esse estilo de vida. "O levantamento desses dados vão contribuir para que novos procedimentos possam ser pensados com o objetivo reinserir o andarilho na sociedade", explica Emilene Bueno, orientadora do projeto de extensão da Univás para redução de atropelamentos de andarilhos.

Paralelo à pesquisa, colaboradores da concessionária levam informações de segurança e distribuem coletes refletivos para que o andarilho adote um comportamento seguro enquanto caminha pela pista. "Durante esse período de trabalho percebemos que as pessoas que caminham às margens da rodovia optam, por diversas razões, por esse estilo de vida. E como também são usuários da BR-381, nós precisamos orientá-los a se locomoverem da forma mais segura possível", explica Luciano Louzane, diretor de operações da concessionária.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários